Radiola Urbana

Topo
Radiola Urbana

Radiola Urbana

Hypnotic Brass Ensemble em SP: "o movimento do povo não será interrompido"

Ramiro Zwetsch

2019-06-20T19:08:16

19/06/2019 08h16

Quem já viu algum dos show da Hypnotic Brass Ensemble, é testemunha do transe que conecta banda e público. O suingue pulsa naturalmente dos metais empunhados por seus integrantes e a plateia fatalmente cede ao balanço. Todos eles são irmãos e filhos de Phil Conhan – lenda do jazz (seu álbum "On the Beach", de 1968, é uma obra-prima do gênero), inventor do instrumento frankiphone (semelhante à kalimba), ex-integrante da banda de Sun Ra (entre 1959 e 1961) e falecido em 2017 (aos 90 anos). O clima que se instala no palco é de festa, pra cima, com uma linguagem jazzística (efeito da educação que os músicos receberam em casa) aliada à energia do hip hop – que batia nos fones de ouvido no dia-a-dia das ruas de Chicago, na adolescência e juventude dos hipnóticos. A HBE está no Brasil e já tocou em três cidades (Rio de Janeiro, Recife e Salvador). Outras quatro apresentações acontecerão até o fim de semana: Belo Horizonte (quarta 19), Brasília (quinta 20), São Paulo (sexta 21) e Curitiba (sábado 22).

Seu disco mais recente, "Book of Sound" (2017), é um mergulho no que se convencionou chamar de spiritual jazz – algo relacionado aos trabalhos de artistas como Alice Coltrane, Pharoah Sanders, Albert Ayler e do próprio Phil Cohran – e desvenda uma vocação até então pouco explorada na já vasta discografia da banda (com mais de dez lançamentos, entre EPs e álbuns, em 15 anos de carreira). Sem bateria ou qualquer outro instrumento percussivo, o som flutua levemente no diálogo entre os sopros e sem a vibração das pistas de dança. É trilha sonora para esvaziar a mente e elevar. A banda avança algumas casas com o trabalho e o que já surpreendia pela química e telepatia na comunicação entre os irmãos de sangue em uma receita essencialmente dançante, agora transcende para um nível de jazz de potência, inspiração e mistério que vão além.

Conversamos por email com Cidjan Graves, trombonista e um dos gerenciadores dos negócios da banda.

"Book of Sound" soa mais meditativo e menos dançante que os outros trabalhos da banda, mais próximo do spiritual jazz. Por que escolheram esse caminho?
Sim, nosso último LP "Book of Sound" é um álbum conceitual. De fato, ele rompe com a série de lançamentos da HBE pois pretendia ser uma jornada através do som. Acabou se tornando uma dedicatória ao nosso pai Kelan Phil Cohran (que nos deixou no mesmo ano de lançamento do disco) e o repertório traz versões de duas de suas músicas originais. É um retorno às nossas raízes musicais e à filosofia sobre a conexão ao universo através do som. Existem três componentes em toda a música (assim fomos ensinados desde muito jovens): som, ritmo e forma (temos um EP recente com esse nome, "Sound, Rhythm & Form"). Sendo um tratado sobre o som, era importante abrir mão de todos elementos percussivos e deixar que a veracidade das tonalidades se destacassem. Esse disco é destinado ao pensamento meditativo, empoderamento espiritual e reflexão interior. Não é para pista de dança.

Imagino que há vantagens e desvantagens em ter uma banda formada por irmãos. Quais são elas?
Definitivamente existem. Somos todos a mesma pessoa que éramos quando corríamos ao redor do parquinho e somos todos iguais ao nosso pai. Somos todos chefes. Por isso, às vezes, fica picante. Mas nós abraçamos isso, não há muitas bandas com 8 ou 10 artistas que realmente se unem. Nossa mentalidade é "se não dobrar, vai quebrar" (velho provérbio africano que a nossa mãe costumava dizer ). Isso significa que se nós não pudermos discutir, ficarmos bravos uns com os outros ou discordarmos fortemente como irmãos e parceiros, então nós não duraremos. A chave é voltar mais forte depois. Às vezes, o público não percebe, mas estamos debatendo no palco. Mas quando a música começa, todo mundo está em sintonia desde a primeira nota. Musicalmente, estar em uma banda com a família é o que há de melhor porque o ápice da música é a harmonia. Músicos têm que trabalhar para encontrar um ao outro e permanecer em um lugar subjetivo juntos para apresentar sua arte. Como um grupo de irmãos (que também têm estudado uns com os outros e com o mesmo professor desde a infância), estamos nesse ritmo em todos os momentos. Nossas harmonias e melodias se conectam sem que a gente precise olhar um para o outro.

Vocês cresceram junto com o hip hop e foram educados por um mestre do jazz. Como isso impacta no som da banda?
Bem, nós fomos criados de forma clássica por nossos pais em nossos anos iniciais (ouvindo e estudando Duke Ellington, Bach, Gioseffo Zarlino), mas crescemos no lado sul de Chicago. Então havia essa influência dupla em nossas vidas: uma em casa, de teoria da música, jazz africano e soul music; e a outra fora – quando saíamos para a vida dura da cidade nas ruas, hip hop e reggae eram a trilha sonora. HBE era um grupo de rap no ensino médio antes de ser uma banda instrumental, então foi uma progressão natural colocar a energia e o ritmo do hip-hop em nossa música desde o início. Nós levamos esse treinamento técnico enraizado e a crueza do hip hop na hora de compor. Nosso som é da rua e isso é algo que as pessoas em qualquer lugar do mundo podem identificar.

A banda tem parcerias com vários artistas de rap e é notória a importância do jazz para a cultura hip hop. Acredita que, hoje em dia, o hip hop é igualmente importante para o novo jazz?
É curioso você perguntar isso porque, obviamente, existe um cruzamento de fronteiras entre o novo jazz e o autêntico hip hop. Não falo do rap que é popular agora, mas da cultura hip hop de raiz, do MC e o DJ – que era a voz da juventude manifestada na música. O jazz tinha o mesmo significado no começo. Então, agora temos estudantes de jazz, que também são filhos do hip hop, criando e escrevendo. A fusão vai estar lá porque a voz foi comprovada como uma ferramenta eficaz. Como instrumentistas de sopros, cada um de nós se esforça para ter o seu próprio estilo, seu próprio jeito de mostrar a técnica e ter uma assinatura na hora de tocar – também é assim com os MCs e DJs de hip hop. Por isso, a HBE trabalha com MCs icônicos (Ghostface Killah, Yasiin Bey, De La Soul e Snoop Dogg, por exemplo), para completar o espectro e se somar aos nossos metais. Nossos colegas de música estão fazendo o mesmo.

Em 2014, Phil Cohran deu uma entrevista ao blog e disse não gostar do disco gravado com a Hypnotic Brass Ensemble ("Kelan Philip Conran and the Hypnotic Brass Ensemble", de 2012), porque vocês tiveram apenas dois dias para ensaiar e gravar. Você concorda com isso?
Sim, odeio dizer, mas todos concordamos. Não foram nem os ensaios. Todo o processo foi desgastante, o estúdio e o engenheiro de som mudaram duas vezes e foi piorando cada vez mais. Em seguida, o repertório foi totalmente renovado, algumas das mixagens e masterizações que foram lançadas não eram as definitivas… É justo dizer que nenhum de nós, começando por nosso pai, estava totalmente feliz com o disco (foi o nosso primeiro LP conceitual), mas foi bom colocá-lo de lado e deixá-lo documentado – agora é um pedaço da história. "Book of Sound" é a nossa resposta para esse projeto!

Ele foi o fundador da AACM (Association of Advancement Creative Musicians) e você é um dos responsáveis por gerenciar a agenda e contratos da Hypnotic Brass Ensemble. Seu pai é uma inspiração também como homem de negócios?
Sim, nosso pai Phil Cohran é a inspiração para o modelo de negócios da Hypnotic. Na década de 1960, ele foi o epítome do que consideramos hoje um artista independente. Ele tinha seu próprio teatro e agendou seus próprios shows, gravou sua música em seu estúdio caseiro, prensou os discos e os vendeu sozinho – claro, depois de escrever toda a música pessoalmente. Sua gravadora era Zulu Records, agora nossa empresa Pheelco Entertainment é uma continuação disso (somos proprietários e administradores de ambos catálogos). Embora a gente esteja agora negociando nossos LPs com algumas distribuidoras, a HBE fez tudo internamente. Da gerência ao agendamento de shows, passando por produção de álbuns, merchandising e, o mais importante, editoração. Quando a série "Jogos Vorazes" quis usar nossa música "War" como tema de uma cena de luta, eles precisaram nos chamar diretamente para resolver os termos. Esta é uma carga pesada para administrar, mas nos mantém no controle de nossa arte e essa era a filosofia de nossos pais – a qual permanecemos fiéis.

A banda já tem 15 anos. Consegue olhar para trás e avaliar o legado deixado até aqui?
Tem sido um longo e difícil caminho. O legado é evidente: mesmo se nós paramos hoje, o nosso impacto no mundo da música já foi sentido e a nossa contribuição já foi deixada. Quando começamos, tudo na música era digital e eletrônico (até mesmo as vozes, através do efeito do autotune) e não havia trabalho para os músicos de sopros. Em 2001, o HBE decidiu chamar atenção para os metais e torna-los vitais para o palco novamente. Sempre houve o estilo de brass bands de New Orleans e essa tradição continua forte, mas queríamos expandir o uso dos sopros em todas as formas de música como elemento importante ou mesmo uma peça central. Colaboramos com todos os estilos de música – desde rock (Gorillaz) até hip hop (Wu-Tang Clan), afrobeat (Tony Allen) e soul (Erykah Badu) – ao longo dos anos, mostrando que o público em todo o mundo se interessa pela linguagem das brass bands. Hoje, nas grandes turnês e gravações sempre há uma seção de metais e vemos brass bands em todo o mundo. Esse é o nosso legado.

Vocês já vieram ao Brasil algumas vezes. O que pode dizer sobre o público brasileiro?
A HBE vem se apresentando no Brasil há dez anos. Além de ser um belo lugar para se visitar, é especial se apresentar para os brasileiros. Várias bandas não conseguem vir ao Brasil e os brasileiros são muito claros sobre o que não gostam. Então, se nossos shows lotam por aí e um quarto da nossa audiência no Spotify vem do Brasil, sabemos que estamos fazendo algo certo. A Hypnotic se apresenta para o público em todo o mundo e nem todos sabem como se soltar com o nosso som. O show da HBE é de alta energia, então ajuda quando a plateia também tem essa vibração – e assim foi em todos os nossos shows no Brasil até agora.

A pergunta inevitável: qual é o seu artista brasileiro favorito e por quê?
Nós gostamos de muita música do Brasil – tanto artistas independentes quanto outros mais conhecidos, assim como algumas das coisas mais antigas dos anos 60 e 70. Mas se for pra dizer um nome que todos os irmãos concordariam seria Racionais MC's. Alguns de nossos fãs nos apresentaram para eles em uma festa depois de um show. Não é apenas a música deles que é incrível: eles parecem ser o mesmo tipo de caras que nós.

No ano que vem, haverá eleições presidenciais nos Estados Unidos. Acredita que se livrarão de Donald Trump?
Não, estou triste em dizer que não seremos capazes de nos livrar de Trump em breve. O problema não é apenas nos EUA: entendo que o Brasil tem sua versão dele também, a mesma coisa acontece na União Europeia. Em todo o mundo, há uma tendência de rompimento com os antigos valores sobre os quais o mundo moderno foi construído: classismo, racismo, sexismo, controle religioso. As pessoas, em grande escala, estão se afastando disso, mas esses caras estão tomando o poder e pressionando para manter o mundo do mesmo jeito. Nosso professor costumava dizer que "lutar contra o tempo é como tentar impedir que as ondas rolem para a praia". O movimento do povo não será interrompido. Não importa quem esteja no cargo, isso não mudará.

Vai lá!

Hypnotic Brass Ensemble

Quando: Sexta 21/6, às 22h

Onde: Cine Joia – Praça Carlos Gomes, 82

Quanto: Lote 1 (meia – R$ 40 / inteira – R$ 80), Lote 2 (meia – R$ 60 / inteira – R$ 120), Lote 3 (meia – R$ 80 / inteira – R$ 160)

Sobre o autor

Ramiro Zwetsch é jornalista, DJ residente da festa Entrópica, sócio da Patuá Discos e criador do site Radiola Urbana. Foi editor-chefe dos programas "Manos e Minas" e "Metrópolis", repórter de música do Jornal da Tarde e colaborou para "Ilustrada", "Caderno 2", “Bravo!”, “Rolling Stone”, “Bizz”, “Carta Capital”, “Select” entre outros.

Sobre o blog

Divagações e reflexões sobre as maravilhas contemporâneas e pérolas negras da música Brasil adentro e mundo afora.